Para escolher calçado para profissionais de saúde deve ter em conta 6 fatores:

  • Avaliação do risco de contaminação pelo calçado
  • Avaliação do risco de quedas
  • Avaliação do risco de descarga de eletricidade estática
  • Conforto
  • Acomodação
  • Biomecânica

Risco de contaminação

A forma de evitar o desenvolvimento e proliferação de fungos, bactérias e infeções pelo calçado é através da escolha de modelos feitos em materiais não porosos, como couro revestido ou termoplástico. Adicionalmente deve ser tido em conta o facto dos profissionais de saúde lidarem no seu dia a dia com fluidos, muitas vezes contaminados, como por exemplo sangue ou vomito, muitas normativas internas ou certificações exigem que o calçado médico não possua furos ou aberturas, que seriam um risco de contaminação para o profissional. Para segurança dos profissionais e pacientes, o calçado deve poder ser lavável ou esterilizável. Alguns materiais, como certos tipos de couro revestido, ou espumas EVA, são laváveis numa vulgar máquina de lavar roupa (normalmente as palmilhas, caso existam, devem ser lavadas em separado). Alguns fabricantes de calçado médico em espumas EVA, indicam que os seus produtos são esterilizáveis com soluções à base de cloro. O calçado feito para ambientes limpos, como é o caso dos blocos/salas de cirurgia, é tradicionalmente feito em termoplástico autoclavável a 134º . Verifique nas instruções ou consulte o fabricante sobre o procedimento mais adequado.

Exemplo de calçado médico lavável à máquina

 

Exemplo de calçado médico autoclavável

Risco de quedas

Os profissionais de saúde, tem que se deslocar em ambientes onde, muitas vezes existe um perigo real de queda, por exemplo chão húmido, zonas de banhos, piso desnivelado, etc. Muitos fabricante produzem calçado que dificulta estes acidentes de origem mecânica, marcando-os com a informação "slip resitant", esta marcação em si, não é garante evitar quedas por escorregões, mas é uma indicação que o fabricante teve esse fator em conta durante o desenvolvimento do produto.

Marcação "slip resistant" em calçado médico

Risco de acumulação de eletricidade estática

Em ambientes médicos, profissionais de saúde muitas vezes lidam com aparelhos eletrónicos sensíveis, uma descarga de eletricidade estática poderá danificar ou desregular os aparelhos. O calçado antiestático evita a acumulação de eletricidade estática, não só diminui o perigo para os equipamentos, como resolve o problema de sentir os pouco agradáveis "choques", quando se descarga a eletricidade estática. Para a Europa a normativa que regula s segurança estática é a IEC61340-5-1. Os sapatos antiestáticos normalmente são assinalados, em caso de dúvida consulte o fabricante.

Calçado médico antiestático

Conforto

Muitos profissionais de saúde têm de fazer horas, em turnos longos ou com apenas algumas horas de descanso, para quem passa a maioria do dia de pé o conforto é extremamente importante. O calçado médico recente é feito com solas amortecedores de choques como EVA ou poliuretano, aumentando o nível de conforto, adicionalmente existem modelos com solas flexíveis e palmilhas moldadas. Por norma, os modelos para uso fora de ambientes limpos são mais confortáveis, por utilizarem materiais mais flexíveis, leves e respiráveis.

Acomodação

A acomodação é crucial no calçado médico, por norma, deveriam ser evitados sapatos abertos tipo soca ou sem atacadores, esses tipos de calçado forçam o pé a se posicionar com os dedos em garra.

Biomecânica

Todas as pessoas possuem um ciclo biomecânico único, alguns são pronadores e outros supinadores. O calçado possui características que ajudam a compensar esses problemas.




Como posso determinar o meu ciclo biomecânico?

Generalidades

Socas ou fechados? O calçado médico deve obedecer a processo de certificação, respeitando a normativa EN347 para a Europa e a NR-32 para o Brasil. O sapato fechado, ajustável, com atacadores ou outros é por natureza mais confortável e amigo do pé, permitindo a sua utilização mais folgada.

É recomendável possuir mais do que um par de sapatos, idealmente um par para cada dia de trabalho, a rotação entre diferentes pares previne o desenvolvimento de fungos e bactérias nos sapatos, além de combater os maus cheiros (vulgo chulé).

A maioria das unidades de saúde têm regulamentos internos relativamente aos uniformes, aqui ficam alguns conselhos:

Se pretende comprar sapatos médicos coloridos consulte previamente o regulamento interno do seu local de trabalho.

O calçado com aberturas grandes no corte, pode ser perigoso por facilitar a contaminação, ou simplesmente por poder ser suscetível a acidentes, como queda de instrumentos, por exemplo bisturis ou seringas.

calçado com aberturas no corte

 

Share/Bookmark